Conhecimentos básicos de primeiros socorros

Embora cada acidente tenha características próprias, alguns procedimentos essenciais devem ser observados em todas as situações de emergência. É importante saber que as duas primeiras horas após o acidente são decisivas para o tratamento eficaz dos ferimentos e a sobrevivência da vítima. Portanto, uma leitura cuidadosa das técnicas possibilitará mais segurança e controle emocional na hora de prestar socorro. Confira.

Compreenda a situação

Exame secundário

Proteja a vítima

Dez mandamentos do socorrista

Exame primário

 

   Compreenda a situação

mantenha a calma;
procure o auxílio de outras pessoas, caso seja necessário, e peça que chamem um médico;
ligue para emergência em sua cidade;
mantenha os curiosos à distância, pois assim o socorrista terá espaço suficiente para trabalhar;
faça o exame primário para a avaliação completa do estado da vítima. Mas atenção: o exame secundário, que visa descobrir quais foram as lesões sofridas, só pode ser feito se a vítima se encontrar em condições estáveis.

   Proteja a vítima

analise o ambiente em que se encontra a vítima, a fim de minimizar os riscos tanto para o acidentado como para o socorrista (fios elétricos, animais, tráfego, entre outros);
caso necessite parar ou desviar o trânsito, procure pessoas capazes de fazê-lo;
se necessário, remova a vítima para um local adequado;
aja sempre com o intuito de acalmar a pessoa, e sem movimentá-la com gestos bruscos;
converse com a vítima, pois, se ela responder, significa que não existe problema respiratório grave. Caso ela não consiga se comunicar adequadamente, verifique se está respirando. Em caso negativo, você deve agir rápido: proteja a sua mão, abra a boca da vítima e verifique se há algo atrapalhando a respiração, como prótese dentária ou vômito; remova imediatamente. Se necessário, faça a respiração boca-a- boca e a reanimação cárdio-pulmonar (RCP);
se a vítima estiver vomitando, coloque-a na posição lateral de segurança (com a cabeça voltada para o lado, a fim de evitar engasgos).

 

Os suprimentos de primeiros socorros são indispensáveis para o atendimento; por isso, é sempre bom ter um kit em casa e outro no carro.

   Exame primário

Envolve a avaliação completa da vítima, com especial atenção para tudo o que possa provocar risco de vida:

observar o ambiente em que a vítima se encontra;
colocar reto o pescoço da vítima e manter a mandíbula segura, visando desobstruir as vias respiratórias e amenizar a pressão na coluna cervical;
avaliar se a vítima apresenta parada respiratória ou cardíaca. Em caso positivo, começar imediatamente a reanimação cárdio-pulmonar (R.C.P.);
analisar a existência de hemorragias, e buscar meios para contê-las;
verificar o estado de consciência da vítima;
avaliar a intensidade da dor;
conferir a temperatura do acidentado;
manter a vítima aquecida com cobertores e/ou lençóis.

   Exame secundário

Este exame somente é feito quando o acidentado se apresenta em condições estáveis. Siga as instruções abaixo.

  Cabeça e face

analise a região superior do couro cabeludo, procurando alguma alteração;
escorregue as mãos pela parte de trás da cabeça;
apalpe a parte frontal do crânio (testa e região superior).

   Tronco

toque na clavícula (osso do ombro), um lado de cada vez;
apalpe a face anterior (da frente) do tórax;
apalpe o abdômen;
pressione o quadril anterior e lateralmente.

Obs: durante este exame, fique atento para o surgimento de bolhas e crepitações sob a pele, que podem indicar necessidade de atendimento médico imediato.

   Membros superiores

apalpe braços, ombros, cotovelos, antebraços e mãos;
verifique o pulso radial (no punho);
examine a movimentação dos membros.

   Membros inferiores

apalpe a coxa desde a virilha;
apalpe joelho, perna e pé;
cheque o pulso pedioso (no peito do pé);
examine a motricidade (movimentação);
repita o exame na outra perna.

OBS: Ao analisar a capacidade de movimento da vítima, deve-se ter cuidado redobrado ante uma suspeita de fratura. Evite ao máximo mexer no paciente, e providencie o socorro especializado.

   Dez mandamentos do socorrista

1. Manter a calma.
2. Ter em mente a seguinte ordem quando prestar socorro: eu (o socorrista) — minha equipevítima.
3. Checar se há riscos no local de socorro.
4. Conservar o bom senso.
5. Manter o espírito de liderança.
6. Distribuir tarefas.
7. Evitar atitudes impensadas.
8. Havendo muitas vítimas, dar preferência àquelas com maior risco de vida (sofrendo de parada cárdio-respiratória ou sangramento excessivo, por exemplo).
9. Agir como socorrista, não como herói.
10. Pedir auxílio, especialmente do Corpo de Bombeiros local.

Suprimentos de primeiros socorros

Estes são alguns itens que devem constar na caixa de primeiros socorros, e que podem ser necessários em situações diversas. A caixa deve ser mantida sempre em lugar de fácil acesso, tanto em casa quanto no carro:

Alfinetes de fralda;
Caixa de fósforos;
Esparadrapo;
Frasco de água oxigenada;
Frasco de álcool;
Frasco de amônia;
Gazes esterilizadas;
Lanterna;
Luvas de látex.
Pacote de algodão;
Pomada contra irritação da pele;
Sabão líquido;
Saco para água quente;
Sacos de plástico;
Termômetro;
Tesoura;
Tubo de vaselina esterilizada.

 

 Transporte de vítimas

Para aumentar as chances de recuperação, o ideal é que a vítima seja atendida no local do acidente. Caso isto não seja possível por falta de segurança, tanto para ela como para o socorrista, deve-se transportá-la para um local seguro, porém respeitando certos cuidados específicos. Veja como:

   Como ajudar?

Antes de retirar a vítima do local do acidente:

preste atenção ao movimentá-la para não agravar as lesões já existentes;
examine o estado geral da vítima;
tente calcular o peso da pessoa;
considere o número de socorristas para ajudar;
retenha a hemorragia;
mantenha a vítima respirando;
evite ou controle o estado de choque;
imobilize as áreas com suspeita de fraturas.

O transporte da vítima pode ser feito por maca, que é a melhor forma. Se por acaso não houver uma disponível no local, ela pode ser improvisada com duas camisas ou um paletó e dois bastões resistentes, ou até mesmo enrolando-se um cobertor várias vezes em uma tábua larga.

  Para erguer a vítima 

Com apenas um socorrista:

Apoio lateral simples:

o braço da vítima é passado sobre os ombros do socorrista, por trás do pescoço;
o socorrista segura firmemente o braço da vítima;
com o outro braço, o socorrista envolve o acidentado por trás da cintura.

Arrastamento de roupa — a vítima é arrastada no sentido do eixo cranial pelo socorrista, que utiliza a camisa ou casaco como ponto de apoio;

Arrastamento tipo cobertor — posicione a vítima estendida de lado. Coloque o cobertor por debaixo do corpo do paciente, desvire-o, colocando-o de barriga para cima, e puxe o cobertor do outro lado. Inicie o transporte puxando o cobertor próximo à cabeça da vítima.

Com dois socorristas:

Para o atendimento eficiente de politramautizados, é importante ter em mente que, em muitos casos, a vítima não pode e não deve se movimentar espontaneamente, devido às lesões já existentes ou a lesões que possam ocorrer por uma locomoção indevida. Portanto, a melhor maneira de mover uma vítima deitada é o uso da prancha longa, quando o acesso ao paciente é viável.

A seguir, veja os métodos disponíveis para transporte com maca ou prancha longa. Esta técnica deve ser realizada da forma apropriada, tanto para evitar complicações para as vítimas como danos lombares para os socorristas.

   Posição dos socorristas para erguer a vítima do solo

Logo que a vítima estiver em cima da prancha, cada socorrista deve se posicionar em uma das extremidades da prancha (o socorrista A deve colocar-se de costas para o paciente, e o B, aos seus pés);
Depois, os socorristas devem posicionar os pés ligeiramente afastados, e não paralelos ou alinhados;
Ao se abaixar para elevar a maca, os socorristas devem ficar de joelhos na posição tripé, ou seja, um joelho no chão e outro afastado, fora da posição do antebraço;
O socorrista A deve comandar as manobras, indicando quando é a hora de elevar a vítima. Eles então se posicionam de cócoras, levantando o joelho que estava apoiado no chão;
Após a ordem do socorrista A, ambos devem elevar a vítima utilizando os músculos da coxa. Desta forma, evita-se o uso incorreto da musculatura da coluna, o que pode causar sérios danos;
Para iniciar a caminhada, o socorrista A deve sempre dar o comando, dirigindo-se com a vítima para a ambulância ou para outro lugar seguro.

   Transposição de um obstáculo simples

Durante a caminhada, podem aparecer obstáculos no caminho, tais como árvores caídas, por exemplo. O procedimento adequado nestes casos é:

Quando se aproximar do obstáculo, o socorrista A deve avisar ao outro socorrista do problema;
Os socorristas devem colocar o paciente no solo delicadamente, sempre com a orientação do socorrista A;
Com a prancha ao chão, os socorristas devem se posicionar nas laterais, um com a mão na altura do ombro da vítima e o outro com a mão um pouco abaixo dos joelhos, e manter os pés ligeiramente afastados;
Para elevar a prancha, o socorrista A dirige a operação: ambos se colocam de cócoras, erguendo os joelhos que estavam de apoio no chão;
Em seguida, os socorristas se levantam, usando os músculos das coxas para erguer a vítima;
Depois, sempre sob o comando do socorrista A, posicionam a prancha com a cabeceira sobre o obstáculo;
Os socorristas se colocam face a face, caminhando em direção ao paciente, movimentando a maca na lateral e deslizando as mãos ao longo da prancha;
O socorrista B se posiciona na extremidade da prancha;
Enquanto o socorrista B segura a prancha , o socorrista A pula o obstáculo e pega a extremidade da prancha perto da cabeceira da vítima;
Depois, sob a ordem do socorrista A, os dois seguem de forma que apóiem a extremidade dos pés do paciente sobre o obstáculo. O socorrista B salta o obstáculo e vem se posicionar próximo à cabeceira do paciente;
Os socorristas ficam frente a frente e andam em direção ao meio da prancha. Em seguida, a prancha é colocada no solo e o processo recomeça.

 

Prevenção de acidentes

Para evitar incêndios e acidentes sérios, siga estas orientações:

Depois de fumar, certifique-se de que apagou o cigarro completamente. Esta atitude pode evitar sérios acidentes;

Não atire pontas de cigarros pela janela, e muito menos coloque-as sobre mesas, prateleiras ou armários;
Somente esvazie o cinzeiro na lixeira quando tiver certeza absoluta de que todas as cinzas e pontas de cigarros estão realmente apagadas. Não use a lixeira como cinzeiro;

 

Não fume dentro do ambiente de trabalho em seus últimos 30 minutos de expediente — assim você evitará deixar alguma ponta de cigarro mal apagada;
Respeite a sinalização e não fume em lugares proibidos;
Procure não fumar na cama; se você pegar no sono, há o risco de incêndio;

Não jogue pontas de cigarros na rua, principalmente perto da vegetação;


Não solte balões; isto pode representar a destruição de florestas e uma ameaça à vida de muitas pessoas;
Nunca deixe crianças trancadas sozinhas em casa;

.

Não deixe equipamentos elétricos ligados depois de utilizá-los, evitando assim curto-circuito;
Não ligue vários eletrodomésticos em uma mesma tomada. Há o risco de uma sobrecarga do sistema elétrico e seu superaquecimento. Utilize tomadas diferentes e desconecte o aparelho da energia após o uso;


Troque todas as tomadas defeituosas de sua casa, mas nunca realize consertos "quebra-galhos". Estes consertos podem provocar um curto-circuito;
Não permita que as crianças brinquem com fogo, fósforos ou materiais inflamáveis. Não deixe ao alcance delas nada que represente risco de acidente;

Nunca deixe o ferro elétrico ligado, nem que seja só por alguns instantes. Desligue-o sempre quando não estiver por perto, e certifique-se de que ele esteja fora do alcance das crianças;

Quando os fusíveis se queimarem, fique atento e faça uma revisão nas instalações elétricas. De vez em quando, cheque os fios para se certificar de que todos estão bem isolados.
Quando for sair de férias, desligue a chave geral de energia;
Ao utilizar materiais de limpeza, como álcool e removedores, deixe-os sempre em lugares seguros e arejados; eles podem ser venenosos se forem ingeridos, como também inflamáveis;
Não deixe lixo acumulado, principalmente se nele houver panos impregnados com materiais inflamáveis, como gasolina, graxas e óleos vegetais, entre outros. Retire o lixo de casa todos os dias;

Quando não estiver usando os botijões, mantenha-os fechados. E confira sempre se há vazamentos;
Não coloque cortinas ou qualquer tipo de pano próximo ao fogão, e também não esqueça panelas no fogo;

Ao usar o forno, siga os seguintes passos: 1 º — acenda o fósforo, 2 º — abra a tampa do forno; 3 º — ligue o gás. Assim é possível evitar uma explosão;

Se sentir cheiro de gás, abra imediatamente as janelas para ventilar a área, não risque fósforos e não acenda as luzes. Coloque o botijão fora da cozinha, em local arejado.

 

Acidente automobilístico

Sempre é possível ajudar enquanto se espera o auxílio especializado. Mas é importante ter noções adequadas de primeiros socorros para evitar o agravamento da situação. Veja a seguir o que fazer em caso de acidentes automobilísticos.

   Como ajudar?

ligue imediatamente para o serviço de emergência de sua cidade e para a Polícia Militar Rodoviária;
certifique-se de que não irá se arriscar ao se aproximar do local do acidente, porque você pode se tornar outra vítima. Por isso, preste atenção se existe incêndio ou cheiro de combustível antes de qualquer tentativa de socorro;
pegue o extintor de incêndio de um carro que não esteja envolvido no acidente e coloque-o em ação, mesmo que não haja fogo;
afaste os curiosos;
examine o acidentado e veja se ele está respirando. Se a vítima estiver consciente, faça-lhe perguntas para checar a respiração, já que pessoas com graves problemas respiratórios têm dificuldade em falar;
caso haja sufocamento ou dificuldade respiratória, faça respiração boca-a-boca e reanimação cárdio-pulmonar, conforme o caso;
caso exista hemorragia, estanque-a com um pano limpo, protegendo devidamente suas próprias mãos.

 

Afogamento

O afogamento é o acidente causado pela submersão do indivíduo, geralmente na água do mar ou piscina, no qual o acidentado apresenta desde sintomas leves a graves, como a asfixia (dificuldade de respirar); a partir daí, podem ocorrer alterações em outros sistemas do corpo. O local do afogamento (água doce ou salgada) determina diferenças nas alterações corpóreas; no entanto, os procedimentos de primeiros socorros são os mesmos.

Os acidentes ocorridos no mar registram um maior número de vítimas entre os adultos. Já em piscinas, esta estatística mostra maior freqüência de crianças envolvidas. Por isso, é importantíssimo vigiar as crianças não só na praia, mas também em locais onde existam piscinas, mesmo que não estejam sendo usadas.

É possível atuar no socorro com medidas simples, ainda que a pessoa disposta a ajudar não tenha treinamento. Mesmo assim, lembre-se: a ajuda ao afogado só deve ser feita se não for colocar em risco a vida do socorrista.

   Como ajudar?

coloque o acidentado fora da água o mais rápido possível;
se suspeitar de algum tipo de traumatismo (história de queda ou acidente ao mergulhar), mantenha sempre reta e imobilizada a cabeça da vítima;
inicie imediatamente a respiração boca-a-boca;
aqueça o acidentado;
leve-o ao hospital mais próximo, o mais rápido possível.

Asfixia

É o bloqueio ou a dificuldade de respiração por qualquer forma de impedimento da entrada de ar nos pulmões; pode ser também a impossibilidade de troca gasosa (oxigênio por gás carbônico) eficiente. Este impedimento pode ser causado por afogamento, inalação de fumaça ou produtos tóxicos, objetos (sacos plásticos, objetos inalados), compressão do pescoço (enforcamento, esmagamento) ou ausência da respiração por problemas orgânicos.

Sinais e sintomas
Como ajudar?
Engasgamento de lactentes
Engasgamento de crianças

   Sinais e sintomas

dificuldade respiratória;
ruídos durante a respiração;
agitação ou prostração;
palidez ou arroxeamento da pele;
perda da consciência;
parada cárdio-respiratória.

  Como ajudar?

Coloque a vítima em um ambiente arejado. Caso você saiba que a pessoa se engasgou com alguma coisa, proceda as manobras devidas para este caso (descritas abaixo). Se tiver havido afogamento ou inalação de fumaça e o acidentado não responder aos estímulos ou apresentar parada das respirações, inicie as manobras de reanimação cárdio-respiratória. Não perca tempo — leve o acidentado ao hospital mais próximo o mais rápido possível.

   Engasgamento de lactentes

Em caso de asfixia em bebês, proceda da seguinte forma:

coloque a criança no colo ou deitada de costas, e posicione os dedos indicador e médio de ambas as mãos no final do osso esterno (do tórax), próximo ao abdômen;

empurre o abdômen contra o diafragma, comprimindo-o de maneira súbita e vigorosa;
posicione a vítima "à cavaleiro" (com as pernas encaixadas no braço do socorrista), estendida, com a cabeça mais baixa que o tronco. A cabeça deve ser sustentada com a mão, em torno do queixo e tórax. O ideal é que o socorrista descanse o braço sobre sua própria coxa;

golpeie 4 vezes, rapidamente, com a outra mão, entre as omoplatas (ossos protuberantes das costas, próximos aos ombros);
em seguida, ponha a mão livre nas costas da criança, de modo que fique "ensanduichada" entre as duas mãos — uma sustentando o tórax, pescoço e queixo, e a outra apoiando o dorso;
então vire a criança de uma vez e coloque-a sobre a coxa com a cabeça mais baixa que o tronco;
faça 4 compressões seguidas no tórax (esterno).

É recomendável que estas manobras sejam feitas já a caminho do hospital ou pronto-socorro, para que todos os procedimentos necessários sejam tomados o quanto antes.

   Engasgamento de crianças

Para proceder o socorro às crianças maiores, siga estes passos:

posicione-se atrás da criança e coloque os braços em torno de sua cintura. Deixe que a cabeça, os braços e parte do tronco fiquem pendentes para frente;

aperte o punho de uma mão com a outra, e coloque sobre o estômago da criança, bem acima do umbigo, na linha da cintura (abaixo das costelas);
comprima rapidamente o punho contra o estômago, como um golpe. Repita 4 vezes este procedimento, ou até que o corpo estranho seja expelido. Complete com 4 compressões torácicas (sob o esterno);

se a criança for muito grande para esta manobra, deite-a de costas, ajoelhe-se sobre ela e faça pressão com as mãos cruzadas, bruscamente, logo acima da linha da cintura. Peça que outra pessoa fique atenta para remover o corpo estranho da boca. Se a criança vomitar, gire todo o corpo para o lado, a fim de evitar asfixia.

 

Choque elétrico

Como em todos os acidentes, a prevenção é sempre a melhor forma de evitar problemas. Por isso, mantenha protegidas as tomadas no local onde houver crianças, não deixe fios de eletrodomésticos desencapados e não tente consertar fiações elétricas sem a presença de um profissional.

  Como ajudar?

ligue para o Corpo de Bombeiros da sua cidade;
procure não tentar mexer com a vítima presa ao cabo elétrico; só o faça se você tiver treinamento para isto, caso contrário você poderá se tornar outra vítima;
se souber a localização da chave geral, desligue-a imediatamente;
busque socorro imediato para desligar a pessoa da fonte de energia. Quanto menor for o tempo da vítima em contato com a eletricidade, maior será sua chance de sobrevivência;
aproxime-se apenas de materiais secos não-condutores de eletricidade; caso contrário, use uma vara, ramo, corda ou um pano secos para afastar ou empurrar o fio da vítima. Se isto não for possível, chame imediatamente quem entenda do assunto;
observe se a vítima está respirando e se existe algo em sua boca que esteja atrapalhando a passagem de ar. Comece a respiração boca-a-boca;
certifique-se de que a língua do paciente não esteja obstruindo a passagem do ar. Caso esteja, eleve o queixo da vítima ou posicione-o na lateral, para a respiração voltar ao normal;
leve a vítima ao hospital.

 

  Convulsões

A convulsão ocorre devido a uma descarga elétrica súbita e atípica dos neurônios, que se manifesta mais comumente por movimentos anormais de diversos tipos. Esses movimentos incomuns e incontroláveis podem surgir de forma localizada ou generalizada, dependendo da causa do distúrbio neurológico. O quadro pode vir acompanhado por perda ou alteração da consciência.

Causas

Há diversas delas, entre as quais:

febre (em crianças pequenas);
traumas de crânio;
doenças neurológicas;
infecções do sistema nervoso;
distúrbios do metabolismo corporal;
intoxicações.

   Sinais

Durante a crise, o paciente pode apresentar:

movimentos ritmados em todo o corpo ou em algum membro isoladamente;
perda da consciência;
salivação;
vômitos;
febre.

  Como ajudar?

retire roupas apertadas do paciente;
proteja a pessoa contra objetos duros, ásperos ou pontiagudos;
coloque a vítima em local seguro, de onde não possa cair — no chão ou em uma cama cercada, por exemplo;
retire travesseiros e lençóis, para evitar o risco de asfixia;
coloque a pessoa deitada de lado (em decúbito dorsal), para permitir a drenagem de saliva e vômito;

não introduza lenço ou objetos entre os dentes — é inútil e perigoso;
leve o enfermo ao hospital mais próximo sem demora.

Para evitar a crise convulsiva, deve-se diminuir a febre com banhos e medicações prescritas pelo médico. O primeiro procedimento não deve ser realizado durante a convulsão, devido ao risco de aspiração.

   Epilepsia

É uma perturbação neurológica que afeta as funções cerebrais. Os neurônios transmitem informações desorganizadas uns para os outros, provocando um confronto e a completa confusão das mensagens nervosas.

   Sinais e sintomas

perda de consciência e desmaio;
contrações musculares bruscas e involuntárias;
olhos revirados;
excesso de salivação.

  Como ajudar?

posicione a vítima na lateral, para que não se engasgue com o excesso de salivação;

não coloque panos entre os dentes ou na boca do paciente, pois o risco de sufocamento é muito grande frente ao pequeno benefício de proteger a língua do mesmo;
apóie a cabeça do paciente em uma almofada ou algo similar. Não tente impedir os movimentos convulsivos; apenas afaste os objetos em volta que possam machucar a vítima;
alargue as roupas da vítima;
nunca administre nenhum medicamento sem prescrição médica;
preste atenção aos movimentos convulsivos — o relato da testemunha sobre a crise é essencial para um bom diagnóstico clínico;
acomode a pessoa confortavelmente quando a convulsão parar;
deixe-a dormir, se ela quiser;
verifique se a respiração está normal;
leve o paciente ao médico ou ao hospital.

 

Desmaios

O desmaio é a perda temporária de consciência, que pode ser provocada por fatores diversos. O importante é manter a calma e tentar ajudar a vítima.

Causas
Sinais e sintomas
Como ajudar
Estado de choque

Importante

   Causas

emoções bruscas;
cansaço;
fome;
nervosismo;
traumatismo;
hipoglicemia (baixo nível de açúcar no sangue);
queda de pressão;
arritmia cardíaca (qualquer desvio da normalidade no ritmo das contrações cardíacas).

   Sinais e sintomas

pele pálida;
sudorese;
pulso e respiração fracos.

  Como ajudar?

deite a vítima e eleve as pernas;
afrouxe as roupas da pessoa;
verifique o pulso do paciente. Caso não consiga sentir a pulsação, apalpe a artéria carótida, na lateral do pescoço;
caso o desmaio persista por mais de 1 ou 2 minutos, aqueça a vítima, chame o médico imediatamente ou leve a pessoa ao hospital.

Obs: Caso você sinta que vai desmaiar ao ver sangue ou ferimentos, por exemplo, deite-se e eleve as pernas; ou sente-se e curve o tronco para frente, colocando a cabeça no meio das pernas, abaixo dos joelhos, e respire profundamente, pressionando a nuca.

   Estado de choque

Os casos de estado de choque são provocados geralmente por lesões graves, tais como:

hemorragias ou emoções intensas;
queimaduras graves;
ferimentos graves ou extensos;
choque elétrico;
intoxicação por produtos químicos ou alimentos;
parada cárdio-respiratória;
exposição excessiva ao calor ou ao frio;
dor profunda;
infecções;
fraturas.

   Sinais e sintomas

pele pálida e fria;
sudorese nas mãos e na testa;
sensação de frio;
náuseas e vômitos;
dificuldade respiratória;
visão nublada;
pulso fraco e rápido.

   Como ajudar?

examine o estado da vítima;
mantenha a pessoa deitada e aquecida;
alargue as roupas da vítima;

remova da boca qualquer objeto que atrapalhe a respiração (dentadura, goma de mascar) e mantenha a vítima respirando;
posicione a cabeça na lateral, para o caso de ela vomitar,
levante as pernas da vítima, mas somente se não houver suspeita de fraturas;
mantenha a cabeça do paciente em posição mais baixa que o tronco, de preferência;
leve-o ao hospital.

  Importante

NUNCA:

dê bebidas alcoólicas à vítima;
dê líquido a uma pessoa inconsciente ou semi-inconsciente;
dê líquidos se suspeitar de lesão abdominal ou se o acidentado estiver em estado grave.

 

Dor de ouvido

Apesar de parecer uma ocorrência simples, a dor de ouvido pode ser sinal de infecção local, com possibilidade de atingir o sistema nervoso central. Veja como agir.

   Como agir

erga a cabeça do paciente e coloque-a sobre vários travesseiros;
aplique compressas de água morna sobre o ouvido dolorido e dê um analgésico para amenizar a dor;
não permita que a pessoa assoe o nariz, pois a pressão pode agravar a dor;
procure o médico assim que puder. Somente use outros medicamentos se receitados pelo especialista.

 

 Fraturas

 

Descrição

Fraturas na coluna vertebral

Sinais e sintomas

Como imobilizar a vítima

Como ajudar?

Material para imobilização

Fraturas nos braços

 

 

  Descrição

As fraturas são ocasionadas pela ruptura completa ou parcial na continuidade dos ossos. Podem ser classificadas em:

fechadas: quando a pele do local fraturado não se rompe;
abertas ou expostas: quando a pele se rompe e o osso fica exposto. Esta ruptura pode ser causada por algum objeto cortante ou pelos próprios fragmentos ósseos. Neste caso, a probabilidade de infecção é muito grande, e por isso a fratura deve ser examinada com atenção pelo médico.

Ainda se pode classificar a fratura por sua extensão:

completa: envolve toda a espessura do osso;
incompleta: envolve apenas uma parte do diâmetro do osso.

   Sinais e sintomas

dor profunda na área fraturada;
hematoma (ruptura de vasos sanguíneos, com acúmulo de sangue no local);
paralisia por lesão dos nervos;
movimentos com estalos (semelhantes ao som de amassar de papel).

   Como ajudar?

não tente colocar o osso da vítima no lugar;
procure não limpar os ferimentos. Movimentos desnecessários podem provocar complicações sérias e infecções;
dê analgésico via oral, para amenizar a dor;
coloque compressa de gelo na área traumatizada para diminuir a dor e o inchaço;
caso não tenha certeza da fratura, trate a vítima como se a ruptura realmente tivesse ocorrido, imobilizando a região;
chame o médico o mais rápido possível, ou leve a vítima ao hospital.

   Fraturas nos braços

se o osso não estiver exposto, faça compressa com gelo

 

caso a fratura seja exposta, enfaixe com gazes;
imobilize com materiais improvisados, como tiras de pano e pedaços de madeira;


coloque o membro fraturado no material usado para a imobilização;
enrole a tala com as ataduras, para que fique bem firme;
leve o paciente imediatamente ao hospital;
caso a fratura seja nos braços, faça uma tipóia, como mostra a figura abaixo:

Coloque uma atadura triangular, uma camisa ou pano sobre o tórax da vítima, e amarre as pontas.

   Fraturas na coluna vertebral

A coluna vertebral é responsável por várias funções importantíssimas, como respiração e movimentação. Portanto, a fratura da coluna pode provocar lesões importantes, principalmente na medula óssea, causando danos irreversíveis.

   Sinais e sintomas

incapacidade ou problemas com a movimentação de membros;
perda de sensibilidade nas pernas;
formigamento em alguma parte do corpo, principalmente nas pernas;
dor no pescoço e na região lombar.

   Como ajudar?

não deixe a vítima se mexer; qualquer movimento inadequado pode trazer consequências gravíssimas;
chame a emergência imediatamente.



   Como imobilizar a vítima?

identifique a área lesada, cortando a roupa;
retire anéis e braceletes que possam vir a comprometer a circulação;
cubra as lesões com curativos;
acolchoe imobilizadores que possam machucar a vítima;
imobilize a área acima e abaixo da articulação lesada, de forma que a vítima não possa movimentar a região.

   Material usado para imobilização

imobilizadores rígidos: são materiais flexíveis que, moldados ao corpo, conservam a estabilidade. Podem ser de madeira, papelão ou alumínio. Sua fixação no membro lesado é feita com bandagens;
bandagem: é o material usado para fixar um curativo sobre a ferida. Deve ser suficientemente justa para reduzir a dor e os sangramentos, e frouxa o bastante para permitir a circulação sanguínea. As bandagens mais usadas são as triangulares.

 Hemorragias

São conseqüência de um rompimento, cisão ou dilaceração dos vasos sangüíneos, veias ou artérias, o que provoca a perda de sangue circulante para dentro ou para fora do corpo. As medidas a serem tomadas para reter uma hemorragia dependerão do local afetado.

Existem dois tipos básicos de hemorragia:

Hemorragia venosa: é identificada pelo sangue de cor mais escura, por ser rico em gás carbônico, e sangramento contínuo;
Hemorragia arterial: é qualificada fundamentalmente pelo sangramento em jatos de cor vermelho vivo. É considerada mais séria que a hemorragia venosa, por possuir uma maior pressão sangüínea.

Sinais e sintomas
Hemorragia externa
Hemorragia interna
Hemorragia nasal

  Sinais e sintomas

enjôos e vômitos;
ritmo cardíaco acelerado;
pulso fino (que mal se pode sentir);
respiração rápida e superficial;
sede;
sudorese;
desmaios;
diminuição da temperatura, ocasionando frio e calafrios;
estado de choque;
tonteira;
mucosas sem cor.

   Hemorragia externa

Esta forma de hemorragia é o sangramento de estruturas superficiais. Normalmente, pode ser contida com regras básicas de primeiros socorros.

   Como ajudar?

deite a vítima imediatamente;
use luvas para tratá-la, se possível;
eleve o membro lesado a uma altura superior à do coração, para que se dificulte a vazão do sangue, pela própria pressão;
aplique um curativo com gaze ou pano limpo sobre a área ferida, e comprima-o firmemente por pelo menos 10 minutos;
coloque uma bandagem por cima do curativo;
caso o sangramento persista, faça pressão sobre a artéria mais próxima do local afetado;
quando o sangramento parar, deixe a parte afetada em repouso;
não faça garroteamento no local;
leve a vítima ao hospital.

   Hemorragia interna

Esta hemorragia se caracteriza pela ruptura de vasos ou órgãos internos. Já que o sangramento não pode ser visto, é necessário que se preste muita atenção aos sinais e sintomas específicos, para evitar o choque da vítima e ter tempo hábil de encaminhá-la ao socorro adequado.

   Sinais e sintomas

pele pálida e fria;
dedos e mãos (extremidades) arroxeados pela redução de circulação sangüínea;
mucosas dos olhos e boca esbranquiçadas;
tonteira;
sudorese.

   Como ajudar?

Para a retenção da hemorragia (hemostasia):

acalme a vítima, se estiver consciente;
posicione-a com a cabeça em um nível mais baixo que o corpo;
aqueça a vítima com cobertor ou algo similar;
interrompa o consumo de líquidos;
leve a vítima ao hospital imediatamente.

   Hemorragia nasal

Esta é a hemorragia que mais acontece entre adultos e crianças. É causada pela ruptura dos vasos sangüíneos do nariz, devido à exposição excessiva ao sol, trabalho sob temperaturas elevadas, atividades físicas muito desgastantes e redução da pressão atmosférica, como também por causa de outras doenças.

Às vezes até uma crise hipertensiva pode acarretar esta hemorragia; nestes casos, é preciso medir a pressão arterial. É recomendável a consulta imediata ao médico, para um exame mais detalhado e um diagnóstico correto.

   Como ajudar?

alargue as roupas que estejam apertando o tórax e o pescoço da vítima;
acalme-a;
sente-a em lugar arejado;
solicite à vítima que respire pela boca;
não permita que ela assoe o nariz;
faça pressão com os dedos sobre a narina que estiver sangrando, durante 5 a 10 minutos;
coloque um chumaço de algodão na narina em sangramento, para fazer de tampão;
faça compressa com gelo no nariz;
caso não pare o sangramento, leve a vítima ao hospital.

 

Insolação

Ocorre após uma grande exposição ao sol, em dias de calor intenso. O corpo desidrata mais rápido por causa do excesso de suor. Fenômenos como o golpe de calor podem ocorrer quando a regulação da temperatura é incapaz de dissipar o acúmulo de calor corporal. Este fenômeno é muito grave e potencialmente fatal.

Por isso, o tempo de exposição ao calor ou ao sol deve ser criteriosamente observado. Muitas vezes, um curto período de tempo — 15 a 30 minutos, por exemplo — é suficiente para causar sérios danos se a temperatura a que se está exposto for muito alta, como freqüentemente ocorre em países tropicais como o nosso.

   Sinais e sintomas

mal-estar;
dor de cabeça forte;
calor;
ardor;
febre;
redução da quantidade de urina;
sede em excesso;
vermelhidão por todo o corpo, em alguns casos com o aparecimento de bolhas d'água;
convulsão nos casos mais sérios.

   Como ajudar?

transporte a vítima para um local arejado, fresco e de preferência em frente a um ventilador. Nunca permita que ela permaneça em um ambiente abafado e quente;
aplique compressas frias pelo corpo;

dê um banho na vítima (com água em temperatura ambiente, mas sempre fresca);
faça-a beber bastante líquido;

caso os sinais e sintomas persistam por mais de 1 hora, leve a vítima ao médico ou ao hospital;
nos casos mais graves — febre alta (acima de 38º), vômitos ou convulsões — leve a vítima ao hospital imediatamente.

 

Intoxicações

Podem ocorrer por várias vias, entre elas:

Oral: com o consumo de qualquer substância tóxica pela boca;
Cutânea: no contato da pele com qualquer produto tóxico;
Respiratória: pela inalação de gases ou vapores liberados por produtos tóxicos.

Sinais e sintomas

 

Contaminação pelos olhos

Como ajudar?

 

Tóxico ingerido

Intoxicação por plantas

 

Contaminação pela pele

Tóxico inalado

 

Vítima inconsciente ou com crise convulsiva

 

   Sinais e sintomas

Estes dependerão das vias de penetração e da substância tóxica. Contudo, de uma maneira geral, podemos observar:

vestígios na boca ou na pele, indicando ingestão, inalação ou contato da vítima com substâncias tóxicas;
odor incomum no hálito, devido à aspiração ou ingestão de algum produto químico nocivo;
alteração na coloração dos lábios;
lesões na pele;
redução da capacidade respiratória;
queimação na boca, garganta ou estômago;
sonolência;
cólica;
diarréia;
sangue nas fezes;
náuseas e vômitos;
confusão mental e estado de coma.

  Como ajudar?

leve a vítima imediatamente ao hospital;
observe-a com atenção, para explicar ao médico como ocorreu a intoxicação;
em caso de intoxicação por produto químico, encontre a respectiva caixa, na qual você poderá saber a composição do produto e qual é o antídoto adequado;
se possível, leve o produto tóxico para o médico no frasco original;
em caso de intoxicação alimentar ou por plantas, leve para o médico uma amostra do alimento ou planta;
dê bastante líquido à vítima;
nunca ofereça medicação para segurar a diarréia, pois esta é o mecanismo de defesa do organismo, que elimina as toxinas através das fezes.

Auxílio pelo telefone: Centro de Assistência Toxicológica do Hospital das Clínicas de São Paulo (CEATOX). Está disponível 24 horas para informações sobre intoxicação.
A ligação é gratuita: 0800-148110.

   Intoxicação por plantas

Plantas tóxicas existem em todos os ambientes, e podem ser muito perigosas quando manuseadas ou até ingeridas, especialmente por crianças.

   Sinais e sintomas

Variam conforme as diversas espécies de plantas. Porém, os mais comuns são:

náuseas;
vômitos;
diarréia e desidratação.

   Como ajudar? 

não provoque o vômito na vítima, muito menos se tiver ingerido soda cáustica, derivados do petróleo (querosene, gasolina, líquido de isqueiro, removedores), ácidos, água de cal, amônia, alvejantes de uso doméstico, tira-ferrugem ou desodorantes. Isto porque, da mesma forma que, ao entrar no organismo provoca-lhe danos durante o trajeto, a substância tóxica fará o mesmo quando sair em forma de vômito;
a rapidez é imprescindível: trate a vítima antes que seu organismo absorva o veneno;
remova os resíduos restantes da planta da boca da vítima, lavando-a com bastante água;
não permita que a vítima ande;
dê-lhe leite ou clara de ovo;
observe a língua e a garganta, para verificar a dimensão da irritação provocada;
mantenha a vítima aquecida;
guarde a planta para identificação futura;
leve a vítima para o hospital mais próximo.

 Tóxico ingerido — Sinais e Sintomas

enjôo;
vômito;
diarréia;
suor;
palidez;
febre;
tonteira.

  Como ajudar? 

Veja a seção Intoxicação por plantas, e siga os mesmos procedimentos.

  Tóxico inalado — Sinais e sintomas

enjôo;
vômito;
diarréia;
suor;
palidez;
sufocamento;
febre.

 Como ajudar? 

coloque a vítima em local arejado;
mantenha a vítima respirando, e verifique a respiração;
posicione o queixo da vítima para cima o quanto puder, e sopre em sua boca ou nariz de 12 a 18 vezes por minuto;
conserve a vítima aquecida;
leve-a ao hospital.

  Contaminação pela pele — Sinais e Sintomas

queimação ou resfriamento;
diarréia;
vômito;
salivação intensa;
náuseas;
dificuldade respiratória;
perda de consciência.

 Como ajudar? 

leve a vítima para o chuveiro ou jato de água corrente, enquanto remove toda a roupa;
coloque roupas limpas na pessoa;
não medique a vítima;
leve-a ao hospital.

 Contaminação pelos olhos — Sinais e Sintomas 

ardência;
lacrimejamento;
dor.

 Como ajudar? 

lave os olhos imediatamente após o acidente, porque a demora no atendimento pode aumentar a gravidade da lesão;
afaste as pálpebras da vítima e lave bem os olhos com água corrente (de 15 a 20 minutos);
não use colírio;
leve a vítima ao hospital.

  Vítima inconsciente ou com crise convulsiva

Siga estas orientações gerais:

examine a respiração da vítima;
verifique se a língua não está atrapalhando a respiração;
posicione a vítima lateralmente para evitar que se engasgue com o vômito espontâneo;
leve-a imediatamente ao hospital.

 

  Mordidas de animais raivosos

A hidrofobia, ou raiva, pode afetar todos os mamíferos, e não só os cães e gatos. A doença atua no sistema nervoso central, através de um vírus, provocando sinais e sintomas de encefalite (inflamação no cérebro), e pode ser fatal.

O vírus tem uma característica particular, que o faz ainda mais perigoso: ele penetra no organismo humano através dos nervos, e não pela corrente sanguínea. Ou seja, enquanto estiver fazendo este trajeto, as defesas do corpo não conseguem notar sua presença. A produção de anticorpos só se iniciará quando o vírus atingir seu alvo, o cérebro, e aí já é mais difícil evitar a morte da vítima.

O animal contaminado pode transmitir o vírus ao homem através da saliva. Por isso, lembre-se: um arranhão ou uma simples lambida em um ferimento é o suficiente para o contágio. É importante reforçar que a raiva pode ser transmitida não só por cão e gato, mas também por outros mamíferos.

  Sinais e sintomas

dificuldades para engolir;
alteração de comportamento;
sensibilidade à luz (fotofobia);
medo de água (hidrofobia);
paralisia.

  Como ajudar? 

lave a ferida com água e sabão em abundância, de preferência detergente; o sabão é responsável pela destruição do invólucro do microorganismo, reduzindo desta forma sua capacidade de reprodução;
leve a vítima ao hospital mais próximo, mesmo que você conheça o animal ou que ele esteja vacinado contra a raiva. Isto porque aproximadamente 5% dos cães não reagem apropriadamente à vacina;
em caso de ataque, não sacrifique o animal. Coloque-o em local seguro para um intervalo de observação (10 dias para cães e gatos).

  O que é a vacina anti-rábica?

É o vírus inativo, ou seja, morto. Ao ser injetado no organismo, provoca uma resposta imunológica, que é a produção de anticorpos para defesa. Também existe o soro anti-rábico, que é o anticorpo já pronto, mas só é utilizado quando o estado da vítima pede um tratamento de ação mais rápida.

   Vacinação para os cães

A primeira dose deve administrada a partir dos 3 meses de idade, com reforço 45 dias depois. A partir daí, é preciso aplicar doses anuais.

 

 Overdose

Como a própria tradução já diz, é uma superdosagem de qualquer substância — isto é, a utilização de alguma droga (medicação ou substância) acima dos níveis terapêuticos.

  Sinais e sintomas

confusão mental;
desmaios;
convulsões;
parada cárdio-respiratória.

  Como ajudar?

Leve a vítima imediatamente ao hospital mais próximo; somente lá ela receberá o tratamento adequado. Este é o procedimento mais apropriado, independentemente da substância ingerida.

  Quando não for overdose

Às vezes o indivíduo tem apenas alucinações, angústia ou depressão, devido ao consumo de drogas como ácido, chá de cogumelos ou maconha. Nestes casos:

leve a vítima para um local tranqüilo;
fale com ela até que a crise passe;
mantenha a calma, para não desesperar ainda mais a pessoa.

Se não tiver controle da situação, leve a vítima imediatamente ao hospital mais próximo.

 

Parada cárdio-respiratória

 

Descrição

Massagem cardíaca

Sinais e sintomas

Respiração boca-a-boca

Como ajudar?

Reanimação cárdio-pulmonar

 

  Descrição

A parada cardíaca acontece quando há interrupção ou diminuição significativa dos batimentos do coração, o que provoca a redução da quantidade satisfatória de sangue circulante. Como costuma ocorrer simultaneamente à parada respiratória, daí tem-se a parada cárdio-respiratória.

A parada cárdio-respiratória (PCR) é o tipo mais comum de emergência médica. É importante ressaltar que, no entanto, uma pode ser conseqüencia da outra; tanto a parada cardíaca quanto a respiratória podem ocorrer de forma isolada, levando rapidamente ao aparecimento da outra ocorrência.

O tempo para o socorrista identificar o ocorrido e tratar a vítima é de poucos minutos. E o sucesso no atendimento conta com a agilidade e a perfeição com que são feitas as manobras de socorro.

Os motivos de uma parada cárdio-respiratória são os mais distintos possíveis, mas os mais comuns são:

Intoxicações;
Choque elétrico;
Asfixia;
Afogamento;
Ataque cardíaco.

  Sinais e sintomas

incapacidade ou ausência respiratória;
midríase (dilatação das pupilas);
perda de consciência;
falta de pulso;
cianose (as extremidades dos dedos e dos lábios tornam-se roxas);
ausência de batimentos cardíacos.

  Como ajudar?

verifique se a vítima ainda respira, e analise seu estado de consciência;
remova resíduos alimentares e próteses dentárias;
faça a respiração boca-a-boca tantas vezes quantas forem necessárias, até o restabelecimento dos movimentos respiratórios;
mantenha sempre o mesmo ritmo: 15 massagens para 2 sopros;
examine o pulso e observe suas características (batimentos acelerados ou pouco perceptíveis, por exemplo);
realize a massagem cardíaca;
se necessário, continue o atendimento de primeiros socorros durante o transporte para o hospital.

  Respiração boca-a-boca

deite a vítima com a cabeça inclinada e o queixo elevado;
pressione a narina da vítima com o polegar e o indicador da mesma mão usada para inclinar a cabeça, e passe a outra mão por trás do pescoço, para dar apoio (veja a figura);
retire da boca as próteses incompletas ("dentaduras", "pontes", etc.) e alimentos (chicletes e balas, por exemplo);
coloque sua boca sobre a boca da vítima e faça duas ventilações (sopros para dentro da boca da vítima), até notar que o peito se levanta; para que isto aconteça, é preciso soprar com bastante força. Cada ventilação deve durar em média de 1 segundo a 1 segundo e meio;
em crianças, as ventilações devem durar 4 segundos e, nos recém-nascidos, 3 segundos. A boca do socorrista cobre a boca e o nariz da criança ao mesmo tempo, por ser impossível fazer da mesma forma que com os adultos;
permita que a vítima expire livremente;
repita o movimento 15 vezes por minuto;
chame o médico ou leve a vítima para o hospital.

  Massagem cardíaca

coloque a vítima deitada de costas sobre uma superfície dura;
coloque as mãos sobrepostas na metade inferior do esterno (osso no meio do tórax). Os dedos devem ficar abertos, sem tocar a parede do tórax;


a seguir, faça pressão, com bastante vigor, para que se abaixe o esterno, comprimindo o coração de encontro à coluna vertebral;
descomprima em seguida;
repita a manobra quantas vezes forem necessárias (cerca de 60 vezes por minuto);
leve a vítima ao hospital.

CUIDADOS: Nas crianças com peso inferior a 30kg, deve-se fazer pressão apenas com uma das mãos, e utilizando os dedos, a fim de que não ocorram fraturas ósseas no esterno ou costelas.

  Reanimação cárdio-pulmonar (RCP)

verifique a respiração;
examine o pulso;
quando a vítima apresentar dispnéia (dificuldade respiratória) grave ou ausência de movimentos respiratórios, comece rapidamente o atendimento com a respiração boca-a-boca;
encontre a área de compressão que está localizada um pouco abaixo do meio do osso do tórax (esterno); pressione esta parte;
faça a massagem cardíaca;
faça respiração boca-a-boca;
leve a vítima ao hospital.

   Instruções para a reanimação

coloque a vítima de barriga para cima sobre uma superfície lisa e rígida;
ajoelhe-se do lado da vítima, na altura de seus ombros;
examine o estado de consciência da vítima;
faça o exame primário, diagnosticando a parada cárdio-respiratória;
faça a respiração boca-a-boca em duas ventilações, cada uma com a duração de 1 a 5 segundos;
descubra o tórax da vítima;
identifique o ponto de compressão da seguinte forma: localize o fim do osso esterno (o osso do tórax, abaixo do estômago), dê a distância de um palmo e mais duas polpas digitais; imediatamente acima deste nível, coloque as mãos para iniciar a massagem cardíaca. Veja as figuras abaixo;
realize 15 compressões torácicas seguidas, com uma freqüência aproximada de 80 por minuto;
mantenha a relação de 15 compressões para 2 ventilações;
examine o pulso após 1 minuto de reanimação cárdio-pulmonar, e depois, a cada 3 minutos;
chame o médico ou leve a vítima ao hospital.

  Em caso de dois socorristas

Siga estes passos:

o socorrista líder faz o contato inicial e o exame primário;
um dos socorristas se responsabiliza pela ventilação e o outro, pela compressão do tórax;

começar com 2 ventilações, fazendo em seguida 5 compressões no tórax para cada ventilação;
contar as compressões em voz alta;
deve-se fazer uma pausa entre as compressões para permitir a ventilação;
o socorrista a cargo da ventilação verifica a eficácia das compressões no tórax, através do controle do pulso da vítima;
depois do primeiro minuto, e a cada 3 minutos de RCP, verificar o retorno da atividade cardíaca;
deve-se chamar o médico ou levar a vítima ao hospital.

   Como saber se a RCP funcionou?

Observe com muita atenção, durante o processo de reanimação:

se o tórax está se expandindo;
se pulso está presente.

 

 

Queimaduras

A queimadura se caracteriza pela lesão de tecidos, podendo ter várias repercussões no organismo, mais ou menos graves, dependendo de vários fatores. Alguns deles são listados a seguir:

Extensão da área queimada: quanto maior a área da queimadura, mais grave é o paciente;
Profundidade da queimadura: pode ser difícil de se avaliar nos primeiros dias do acidente, pois pode evoluir de um grau para outro.

Graus de profundidade da queimadura
Agentes causadores da lesão
Como ajudar?

  Graus de profundidade da queimadura

1° grau: vermelhidão;
2° grau superficial: vermelhidão e bolhas;
2° grau profunda: bolhas, pele branco-rosada e úmida;
3° grau: pele nacarada, cinzenta e seca.

   Agentes causadores da lesão

Físicos: calor, frio, radiações, eletricidade;
Químicos: ácidos, álcalis;
Biológicos: picada de insetos.

Os acidentes mais freqüentes são os causados por líquidos superaquecidos. As queimaduras químicas necessitam de lavagem exaustiva com água. Já a característica primordial da queimadura elétrica é sua evolução progressiva. Nos casos em que há concomitante inalação de vapores aquecidos, pode haver comprometimento pulmonar variável.

  Como ajudar?

Os cuidados serão determinados pelas características da região e pelo risco de seqüelas, dependendo da área acometida (face, mãos, pés, genitais e pregas de flexão, como joelhos e cotovelos). No entanto, há algumas medidas essenciais a serem tomadas em cada caso:

Queimaduras pequenas:

deixe correr água fria sobre a lesão durante 10 minutos;
lave com água e sabonete neutro;
coloque uma camada fina de vaselina estéril sobre o local;
cubra a ferida com gaze esterilizada, para protegê-la das bactérias.

Roupas em chamas:

faça a vítima se deitar o mais rápido possível, com o lado queimado voltado para cima;
apague as chamas com água, a menos que haja aparelho elétrico próximo;
jogue água ao longo do corpo, de cima para baixo, para impedir que as chamas atinjam o rosto;
se não for possível usar água, enrole a vítima em cobertores, casacos grossos ou tapetes, para que as chamas não sejam mais alimentadas com oxigênio. Não use tecidos inflamáveis (nylon, tecidos sintéticos e outros).

Queimaduras extensas e/ou profundas:

chame imediatamente a ambulância;
deite a vítima e jogue água fria sobre a água afetada por 10 minutos ou até que o socorro chegue;
verifique se a pessoa está respirando e tome seu pulso;
corte ou tire delicadamente as roupas caso estejam aderindo à área queimada.

Se a queimadura foi causada por material superaquecido ou produto químico, lave o local em água corrente, e dirija-se a um hospital. O tratamento pode ser feito com a internação do acidentado, ou por atendimento ambulatorial com curativos diários feitos no hospital. Dependendo do tipo de lesão, o médico poderá orientar o paciente a proceder os curativos e cuidados em casa, e marcar consultas de revisão.

NÃO faça:

Não aplique substâncias, loção ou gordura na área;
Não coloque emplastro ou curativo adesivo na queimadura;

Não use algodão ou qualquer tipo de tecido que solte fiapos para cobrir a queimadura;
Não remova nada que esteja grudado na ferida. Isto pode provocar danos posteriores à pele ou aos tecidos, e ainda causar uma infecção;
Não resfrie demais a vítima se ela tiver queimaduras graves; isto pode levar à hipotermia (redução anormal da temperatura corporal).

 

Traumatismos

Luxação
Torção
Contusão

   Luxação

É quando o osso se desloca parcial ou totalmente de sua articulação. Normalmente é seguida de sérias lesões nos ligamentos articulares adjacentes. A luxação pode ser dividida em total (completo deslocamento dos ossos articulados) e parcial (quando os ossos da articulação ainda continuam em contato).

   Sinais e sintomas

dor profunda;
sangramento intenso;
movimento anormal da articulação.

   Como ajudar?

procure imobilizar a vítima em uma posição que amenize a dor e facilite o transporte;
dê analgésico via oral, para aliviar a dor;
não faça compressa com calor ou massagem no local do trauma;
leve a pessoa ao médico ou ao hospital mais próximo.

   Torção

É a distensão dos nervos e ligamentos — tecidos que ajudam a manter os ossos na posição correta — devido a uma movimentação forçada da articulação. Acontece com mais freqüência nos joelhos, tornozelos, punhos, dedos e pescoço.

   Sinais e sintomas

dor profunda em torno da articulação;
incapacidade de movimentação. Pode até ocorrer sangramento na parte interna do local lesado.

   Como ajudar?

coloque compressa fria no local;
imobilize a área traumatizada;
dê analgésico via oral, para amenizar a dor;
chame o médico ou leve a pessoa ao hospital.

   Contusão

É resultado de um forte impacto na superfície do corpo. Pode acontecer de o local da contusão ficar arroxeado, com dor e inchaço; isto é sinal de que houve hemorragia ou derrame por debaixo da pele.

   Sinais e sintomas

pele do local arroxeada;
dor na região de contato.

  Como ajudar?

faça compressa de gelo no local;

dê analgésico via oral, para amenizar a dor;
consulte o médico.